EPM e CIJ promovem o seminário ‘Infância e Juventude: a música como meio de inclusão’

Evento foi realizado no Fórum João Mendes Junior.

 

A EPM e a Coordenadoria da Infância e da Juventude (CIJ) realizaram ontem (10) o seminário Infância e Juventude: a música como meio de inclusão, com palestra que abordou o trabalho realizado pelo Instituto Baccarelli na comunidade de Heliópolis, junto a crianças carentes. O evento foi realizado na Sala do Servidor do Fórum João Mendes Junior e visto por 505 funcionários, entre presentes e inscritos a distância.

 

Antes da palestra, houve a apresentação de uma das turmas do Coral da Gente do Instituto Baccarelli. Sob a regência de Silmara Drezza e com acompanhamento ao piano de Otávio Piola, o Coral interpretou as canções Al Shlosha D’Varim, Maracangalha, Sementes do amanhã, Na minha terra tem, Depende de nós, Let’s twist again e Meu país. No encerramento, o público ovacionou a bela e comovente apresentação.

 

Na mesa de honra estavam o coordenador da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Eduardo Cortez de Freitas Gouvêa; o membro consultor da CIJ, desembargador Antonio Carlos Malheiros; o juiz da Vara da Infância e da Juventude, diretor do Foro Regional da Penha e integrante da CIJ, Paulo Roberto Fadigas Cesar; e o palestrante Edilson Ventureli, diretor executivo do Instituto Baccarelli.

 

Eduardo Gouvêa agradeceu a bela apresentação do Coral. “São crianças com um pendor artístico fabuloso.” Antonio Carlos Malheiros foi breve e falou emocionado: “Agradeço por estar com essas crianças nessa manhã”.

 

Edilson Ventureli iniciou sua palestra falando sobre o poder de transformação da música na vida das pessoas e na sociedade. “Em 20 anos de trabalho, o instituto nunca perdeu uma criança para o tráfico ou teve um instrumento musical roubado, pois a própria comunidade preserva e protege a instituição.” O palestrante contou como foi o início do trabalho realizado em Heliópolis e como o instituto foi e é importante em sua vida. “Hoje tenho minha casa, minha família, mas minha origem é de uma família pobre como as das crianças de Heliópolis. Porém, nada caiu no colo. Digo a eles: façam sua parte, estudem, se esforcem. O mercado de trabalho é sempre difícil, mas para quem é mal profissional. Para o excelente profissional, em qualquer área, não faltam oportunidades.”

 

Ventureli ressaltou os benefícios que o contato com a música traz para a vida. “Aprendemos a trabalhar em grupo e ‘pelo’ grupo.” Disse que, ao interferir positivamente na formação das crianças, passando valores necessários para o convívio em sociedade, promove-se uma transformação social. “Quem tem boa autoestima não envereda pela criminalidade.” E concluiu: “Não é apenas uma ação que irá mudar tudo, mas milhares, milhões de pequenas ações que vão mudar o mundo. Temos que agir, temos que superar a indignação e partir para a ação”.

 

No encerramento da palestra, Paulo Fadigas Cesar parabenizou o Instituto Baccarelli pelo trabalho realizado. “Através de uma atividade prazerosa é feita capacitação de crianças para a vida adulta.” Ao final, os participantes esclareceram dúvidas sobre o assunto e debateram com o palestrante.

 

Também prestigiaram o seminário o desembargador Louri Geraldo Barbiero; o juiz assessor da Corregedoria Geral da Justiça e membro da CIJ, Iberê de Castro Dias; a juíza assessora da Vice-Presidência do TJSP Nidea Rita Coltro Sorci e a juíza da 1ª Vara da Infância e da Juventude da Capital, Cristina Ribeiro Leite Balbone Costa.

 

DI (texto) / KS (fotos)